Ritratto di Donna Sveva Colonna Pio (Ignacio Zuloaga) Sala della Cornucopia Sala del Baldacchino Galleriola Sala delle Maioliche

Recebidos por Donna Sveva

LISTA PINTURAS

O Pavilhão Pio é dedicado à princesa Sveva Donna Colonna (1912-1999), casada em 1932 com o príncipe espanhol Don Alfonso Pio Falcò (1903-1967). Donna Sveva Colonna Pio foi a primeira das duas  filhas da Princesa Donna Isabelle Colonna Sursock e, portanto, irmã do príncipe Don Aspreno Colonna, pai dos atuais príncipes. Donna Sveva não teve filhos e é retratada, aos 25 anos, na grande pintura do famoso pintor espanhol Ignacio Zuloaga (1870-1945) junto com seu cachorro Whisky em frente à casa do marido em Imbersago (Lecco), Villa Mombello , e também é representado em um busto de bronze feito por Antonio Berti (1904-1990). As seis grandes tapeçarias do século XVII (fabricação francesa de Gobelins, século XVII) representam alguns momentos da vida de Alexandre Magno, o Grande (século IV aC) e provêm da coleção de Filipo III Colonna (século XVIII). O busto do Papa Bento XIV (1740-1758), Prospero Lambertini (1675-1758), provêm da coleção Pio, além dos retratos e bustos de Donna Sveva e do rei Filippe IV da Espanha (1605-1665).

Os salões que hoje compõem o Pavilhão Pio faziam parte do apartamento cardinalício que já foi habitado por três cardeais Colonna: Ascanio (século XVI), Girolamo I (século XVII) e Girolamo II (século XVIII).

SALA CORNUCÓPIA

A Sala da Cornucópia e a posterior Sala do baldaquim têm tetos decorados no final do século XVI (1588-1592) como parte da vasta campanha decorativa promovida pelo cardeal Ascanio Colonna (1560-1608). Ambos os ambientes foram posteriormente restaurados em meados do século XVII pelo cardeal Girolamo I Colonna (1604-1666). Os batentes das portas com as inscrições HIERONYMUS CARDINALIS COLUMNA DUX ET PRINCEPS, as decorações florais pintadas nas lunetas que correm na base das curvas e a restauração das pinturas do século XVI remontam a esta época. O teto possui uma rica decoração em um fundo dourado colorido que se desenvolve em torno do grande brasão de armas de Colonna, representado no centro, cercado pelo colar da Ordem do Tosão de Ouro e cercado por estandartes turcos e bandeiras com os estandartes do Papa Pio V (pontificado 1566-1572) e do Reino espanhol de Castilla e Leão, referências à vitoriosa batalha de Lepanto (1571). Os afrescos celebram o papel cultural e eclesiástico do cardeal Ascanio Colonna através de figuras alegóricas da Virtude e os emblemas do poder episcopal, cardinalício e papal suatentados por figuras aladas e querubins. As histórias do Antigo Testamento estão representadas nas quatro ovais que cercam o brasão: a Criação de Adão; a criação de Eva; o Pecado original; a Expulsão dos progenitores do Paraíso Terrestre.
A preparação das paredes com tapeçarias e painéis de tecido pintado remonta a uma campanha de reestruturação confiada pelo cardeal Girolamo II (1708-1763) ao arquiteto Paolo Posi em meados do século XVIII (1756-1763).
As quatro tapeçarias francesas, fabricadas pelos Gobelins, foram tecidas em Paris no século XVII, com base em um famoso ciclo de pinturas feitas para o rei da França Luís XIV por Charles Le Brun (1619-1690), superintendente das manufaturas reais francesas. Compradas por Lorenzo Onofrio Colonna (1637-1689) por 982 escudos, elas representam as Histórias de Alexandre Magno, o Grande, e relembram episódios significativos das campanhas do soberano macedônio na Ásia (no sentido horário da parede oposta às janelas):
– A batalha de Grànico (334 aC), o primeiro confronto entre Alexandre e o exército persa na Ásia Menor (atual Turquia);
– A família de Dario presta homenagem a Alexandre, o Grande, após a batalha de Isso (333 aC);
– A batalha no rio Idaspe (326 aC), a última grande batalha que Alexandre, travou contra o rei indiano Poro na região de Punjab (atual Paquistão);
– A derrota do rei indiano Poro (326 aC)
Para completar a decoração das paredes, os irmãos Stefano e Giuseppe Pozzi (século XVIII) fizeram nos espaços deixados livres pelas tapeçarias, sete painéis de tecido, representando Querubins e troféus de guerra pintados com pigmentos vegetais, chamados sucos de grama, que permitiram obter um efeito semelhante ao das tapeçarias reais, criando um todo unitário.
O piso de mármore amarelo de Siena, incrustado com uma cornucópia no centro e quatro laços vermelhos de França nos cantos, foi executado em 1948 por Donna Isabelle Sursock Colonna (1889-1984) pela Companhia Medici, com base em um projeto do arquiteto Clemente Busiri Vici.

SALA BALDAQUIM

A decoração do teto remonta à campanha decorativa promovida pelo cardeal Ascanio Colonna (1560 – brasão da família Colonna encimada pela coroa e pela sirene bífida e ladeada por dois querubins que sustentam as bandeiras adornadas pelos sinais pontificiais e o brasão do reino espanhol de Castilla e Leão Ao redor, uma decoração grotesca em fundo branco, cheia de motivos aludindo à fama e ao triunfo.Troféus militares em fundo dourado, muito semelhantes aos que aparecem nas salas Tempesta e Dughet do apartamento Princess Isabelle, estão representados nas cantoneiras. A predominância do elemento de guerra nesta sala visa a comemoração das façanhas militares vitoriosas da família Colonna e, em particular, da fama derivada da vitória de Lepanto.
Nas grandes paredes existem duas tapeçarias da série dedicada às Histórias de Alexandre, o Grande, tecidas em Paris no século XVII, manufatura dos Gobelins, com base em pinturas do pintor Charles Le Brun (1619-1690). As duas tapeçarias retratam dois momentos das guerras persas e completam o ciclo mostrado na primeira sala (Sala della cornucopia):
– A Batalha de Arbèla ou Gaugamèla (331 aC), travada por Alexandre contra Dario IIII, não muito longe da antiga capital assíria de Nínive (perto da atual Mosul no Iraque);
– A entrada triunfal de Alexandre na Babilônia, que ocorreu em outubro de 331 aC. após a vitória de Arbèla.
A sala também hospeda:
– um retrato do Papa Martino V Colonna (pontificado 1417-1431) executado no século XVI em óleo sobre madeira, é considerado a mais antiga efígie do papa ainda hoje preservada no palácio;
– um importante busto de mármore do Papa Bento XIV (pontificado 1740-1758) obra de Pietro Bracci (1700-1773), da coleção Pio Falcò;
– o retrato da princesa da Sveva Colonna Pio (1912-1999), pintado pelo pintor espanhol Ignacio Zuloaga (1870-1945), que a representa aos 25 anos, com o cachorro Whisky, em frente à villa Mombello em Imbersago (Lecco), de propriedade da marido Don Alfonso Pio Falcò.
– algumas pinturas de paisagens dos séculos XVII e XVIII de Gaspard Dughet e Frans van Bloemen.
O piso de mármore de padrão geométrico, com reflexos vermelhos dos Pirineus e quadrados verdes de Aosta, foi executado por desejo de Donna Isabelle Sursock Colonna (1889-1984) em 1947 pela Companhia Medici, com base em um projeto do arquiteto Clemente Busiri Vici.

GALLERIA

Este pequeno corredor, construído durante as obras realizadas em meados do século XVIII pela vontade do Cardeal Girolamo II (1708-1763), foi pintado nesses mesmos anos (1756-1763) por Giovanni Angeloni e pelos irmãos Stefano e Giuseppe Pozzi com uma decoração trompe l’oeil, em que uma falsa galeria se abre ilusivamente em vistas de jardins povoados por estátuas, vasos antigos e fontes. A sala abriga um busto de bronze de Filipe IV da Espanha (1605-1655), da coleção Pio Falcò.

SALA MAJÓLICA

A sala foi completamente reformada durante as obras promovidas pelo cardeal Girolamo II em meados do século XVIII (1756-1763), com uma decoração elaborada em estuques dourados nas paredes. Na parede em frente às janelas, há uma lareira coberta de mármore amarelo antigo e verde, encimada por um imponente espelho com uma rica moldura entalhada e dourada coroada pelo monograma do príncipe Lorenzo Onofrio Colonna (1637-1689). A sala abriga o busto de bronze de Sveva Colonna Pio, obra de Antonio Berti (1904-1990) executada em julho de 1939 e proveniente da coleção Pio Falcò.
O teto de madeira decorado com emblemas heráldicos de Colonna remonta ao século XIX. O piso é em ceramica majólica Vietri do século XVIII.